Denúncia de Requião sobre venda da Amazônia vira mais uma gafe

Karlos Kohlbach da Gazeta do Povo

O governador Roberto Requião (PMDB) caiu numa “pegadinha” durante a Escola de Governo desta terça-feira (6/11). Requião iniciou a reunião com os secretários de governo exibindo um vídeo com uma suposta propaganda da empresa multinacional Arkhos Biotech propondo a compra de terras na Amazônia. Depois do vídeo, o governador disse à platéia que o vídeo está sendo apresentado pela “Rede Globo no México” e fez duras críticas ao “comercial”.

O que Requião não sabia é que a propaganda não é real. Trata-se de um jogo que mistura entretenimento e marketing lançado por uma marca de refrigerante, a Guaraná Antártica. Na propaganda fictícia, um locutor, mesclando imagens da floresta, afirma que a única forma de preservar a mata é privatizando-a, uma vez que ela seria patrimônio de todo o mundo, e não somente do Brasil.

Este tipo de ferramenta publicitária, chamada de “Alternate Reality Games” (args), está sendo muito usada em campanhas por grandes companhias em todo o mundo.

Se não bastasse a gafe, Requião foi além. Determinou que a Televisão Paraná Educativa entrevistasse ambientalistas para comentar o assunto. Ele ainda sugeriu que a televisão estatal veiculasse o comercial de “venda da Amazônia” juntamente com os comentários dos ecologistas.

Outras gafes
A mesma gafe foi cometida pelo senador Arthur Virgílio, do PSDB do Amazonas, há sete meses. Virgílio subiu na tribuna do Senado para “denunciar” a tentativa de “privatizar a Amazônia”. O tucano, à época, chegou a propor um convite à empresa fictícia – Arkhos Biotech – para uma reunião na Subcomissão da Amazônia no Senado.

Além desta, Requião coleciona outra gafe. Em fevereiro de 2006, o governador do Paraná esteve em Brasília para uma audiência com o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Após o encontro, Lula e Requião posaram para fotos. Num determinado momento, o presidente mostrou à Requião sementes de mamona. O governador então pegou e as colocou na boca. “Isso é mamona, pô”, alertou Lula. “É bom”, respondeu o governador. “Você sabe que isso tem uma toxina que não pode comer?”, retrucou o presidente. Imediatamente Requião cuspiu a mamona.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s